Nossa Teresa – Micheliny Verunschk

1

AVALIAÇÃO

40%
40%
Ruim
  • Eduardo Cesar Maia
    4
  • Avaliação dos visitantes (Avaliações)
    8.6

PRÓLOGO

Autora: Micheliny Verunschk nasceu em Recife-PE, 1972. É autora dos livros de poesia Geografia Íntima do Deserto (Landy 2003), O Observador e o Nada (Bagaço, 2003), A Cartografia da Noite (Lumme, 2010), b de bruxa (Mariposa Cartonera, 2014). É doutoranda em Comunicação e Semiótica e mestre em Literatura e Crítica Literária, ambos pela PUC-SP.

Livro: Nossa Teresa marca a estreia de Micheliny Verunschk no romance. O livro foi escrito através da bolsa de criação do Petrobrás Cultural.

Tema e Enredo: Micheliny Verunschk explora dois grandes temas: o suicídio e a santidade. O relato inusitado da trajetória de uma santa suicida e de um padre que se torna Papa é, na verdade, o pano de fundo para uma série de outros relatos e, sobretudo, para muitas divagações por parte do narrador.

Forma: A estrutura fragmentada da narrativa confere liberdade às divagações e digressões do narrador, e isso nem sempre funciona bem. Tais reflexões, na maior parte das vezes, soam professorais, acadêmicas, abstratas… E isso deixa o livro carregado de uma artificialidade que prejudica sua fluência como obra ficcional.

CRÍTICAS

Ideias desencarnadas: sobre Nossa Teresa, de Micheliny Verunschk

Não foi sem expectativas que iniciei a leitura da nova obra da pernambucana Micheliny Verunschk, que desta vez arrisca-se na prosa com Nossa Teresa – vida e morte de uma santa suicida, publicada pela Patuá Editora. Usei o termo “arrisca-se” porque os seus livros anteriores – merecidamente consagrados pela crítica – pertencem ao campo da poesia. A leitura de duas entre suas obras, O observador e o nada (2003), publicada em Recife pelas edições Bagaço, e Geografia íntima do deserto (2003), pela Editora Landy, que lhe rendeu a indicação como finalista do Prêmio Portugal Telecom, causaram-me, à época, uma excelente impressão: tratava-se de alguém que havia encontrado cedo uma forma poética adequada àquilo que buscava expressar e que havia constituído, de fato, uma voz própria, rigorosa, ainda que os rastros de forte influência de poetas como João Cabral e Drummond estivessem, a meu ver, presentes (o que não é nenhum defeito, nem muito menos pecado).

Enfim, li Nossa Teresa com a esperança de me deparar, agora na prosa, com a mesma qualidade literária e rigor que havia encontrado em seus poemas dos primeiros livros.

* * *

Neste romance de estreia, Micheliny Verunschk explora, entre vários outros, dois grandes temas: o suicídio e a santidade. O relato inusitado da trajetória de uma santa suicida e de um padre que se torna Papa é, na verdade, o pano de fundo para uma série de outros relatos e, sobretudo, para muitas divagações por parte do narrador, um velho meio ranzinza que adora provocar o leitor e que faz questão de ser digressivo e elíptico ao nos contar sobre a desventura de Teresa e ao discorrer sobre sua própria forma de ver o mundo. O caráter radicalmente fragmentário da obra – expediente tão comum na prosa contemporânea – me parece resultado justamente das idiossincrasias e da “personalidade” do enigmático narrador. Há, é verdade, uma espécie de unidade temática na obra, fundamentada na exploração das temáticas centrais já mencionadas. A fragmentação da narrativa, por sua vez, relaciona-se à estrutura geral da narrativa: capítulos que funcionam como painéis nos quais vamos acompanhando, através do relato um tanto confuso do velho narrador, histórias quase independentes, unidas não por algum fio narrativo, mas pela relação, direta ou indireta, com a temática do livro.

Não farei aqui propriamente uma resenha detalhada da obra, nem ao menos fornecerei aos possíveis futuros leitores uma sinopse. Isso porque, em Nossa Teresa, o desenvolvimento do relato central e dos personagens, mesmo os mais importantes (Teresa, seus pais, o padre, entre outros), não parece ser o objetivo maior da autora. Darei exemplos em defesa do que afirmo. Em primeiro lugar, a protagonista é quase sempre apresentada à distância, e nunca chegamos a conhecer as motivações íntimas de Teresa – o que é, no mínimo, curioso, em se tratando de uma personagem suicida. Ficamos com o sentimento de que a ideia de uma santa que deu cabo da própria vida, por si só, é tão forte que o desenvolvimento da personagem, com seu cotidiano, seus pensamentos, seus dramas internos, parece ter ficado em segundo plano. Nem mesmo o processo de canonização de Teresa é explicado de forma convincente: como uma suicida se tornou santa? De que maneira e com que argumentos os membros da Igreja conseguiram abrir tamanho precedente, passando por cima de um dogma sagrado? Para a autora, não pareceu importante explicar… É claro que a ficção permite tudo isso, mas ficamos, nós leitores, com a impressão de que não importava tanto explorar as possibilidades dramáticas do relato em si, mas somente penetrar no inusitado e espantoso da ideia central – uma santa suicida – para tecer comentários e realizar reflexões sobre o mundo.

Trata-se, portanto, de um romance, ou, talvez mais precisamente, de uma novela, de ideias – ou melhor, de divagações –, porém, suspeito, a autora não logrou a forma literariamente ideal para tanto. Não que isso desmereça a obra como um todo. Micheliny Verunschk guarda, de sua veia poética, a capacidade de construir imagens fortes: “Só mesmo um Deus de invenção para não tremer e morrer sem estar morto perante a triste figura de sua criança despedaçada” (p. 14); elabora metáforas que nos fazem repensar nossa forma convencional de olhar o mundo, alertando nossos sentidos para outras perspectivas, como na passagem do hipogrifo (uma espécie de máquina do tempo, como o hipopótamo de Memórias póstumas de Brás Cubas), em que somos levados a refletir sobre os sentidos que damos ao passado, histórico e pessoal, através da mistura nem sempre discernível entre memória e invenção: “A vida passa e as histórias se transformam, embora nunca se possa saber exatamente qual é a verdade” (p. 26). Nossa Teresa nos mostra que os ficcionistas, assim como os antropólogos, arqueólogos e historiadores, possuem a ânsia comum de desvendar o sentido do já ocorrido, cada um com seu instrumento, suas ferramentas próprias de “desocultação do passado”. A história – nosso passado comum – seria uma espécie de “quebra-cabeça”, e a metáfora da “nuvem” (p.28), muito feliz por sinal, refere-se a seu movimento contínuo.

Não obstante tudo isso – todas as qualidades que possamos enumerar do livro –, meu senão fundamental ao romance se fundamenta na percepção de que a escritora não logrou um resultado convincente do ponto de vista literário. Explico-me: a boa literatura pode – e deve – ser um veículo de ideias, desde que essas ideias estejam plasmadas de forma persuasiva no contexto da obra. André Maurois usou a expressão “ideias encarnadas”, ao se referir à carga filosófica da literatura de Albert Camus. Maurois queria dizer simplesmente que o autor de O estrangeiro lograva transmitir pensamentos, conceitos e reflexões através de sua prosa, do drama retratado e da caracterização dos personagens e de suas vidas interiores. Outro exemplo, bastante claro, do que sugiro é o do narrador-personagem Riobaldo, em Grande Sertão: veredas. Em seu longo monólogo, o ex-jagunço transmite uma série de ideias, de natureza filosófica, religiosa ou política, mas nenhuma delas nos é apresentada como um discurso, como proselitismo ou como divulgação de uma teoria ou uma ideologia. As ideias estão configuradas literariamente, encarnadas nos personagens e em suas ações, não como parte de uma abstração teórica.

Infelizmente, em Nossa Teresa, ainda quando ideias interessantes estão sendo levantadas, não há esse elemento essencial à ficção que é nos fazer crer em sua verdade. Para simplesmente transmitir ideias ou teorias, por que não escrever um livro de ensaios, um tratado, uma tese? Não se trata de discutir limites ou regras – extremamente flexíveis, como sabemos – do gênero “romance”, mas de atestar que, no caso de Nossa Teresa, aquilo que é narrado não nos convence nem mesmo em seus próprios termos.

Em Nossa Teresa, os “discursos” são constantes: a estrutura fragmentária da narrativa, mencionada anteriormente, confere liberdade às divagações e digressões do narrador, e isso nem sempre funciona bem. Tais reflexões, na maior parte das vezes, soam professorais, acadêmicas, abstratas… E isso deixa o livro carregado de uma artificialidade que prejudica sua fluência como obra ficcional. Parece-me desnecessária essa ânsia de conduzir o leitor para sua visão de mundo “crítica”. Encontramos pensamentos esparsos sobre a memória, o sentido da história, as injustiças do passado, o lugar da mulher, a religião, a morbidez da curiosidade humana, o excesso de informação no mundo atual, o controle da mídia sobre o imaginário etc. Um festival de ideias soltas, ainda que muitas delas sejam pertinentes. Apresento a seguir alguns exemplos (entre muitos possíveis):

– Na página 87, lemos, a propósito da influência negativa da mídia: “A resposta vem quase sempre editada, retocada, conformada a padrões estéticos, políticos, ideológicos. Vemos o que precisamos ver. Imaginamos o que mastigam para nós”. O curioso dessa passagem, que em si é apenas repetição de um lugar-comum, é que, anteriormente, o mesmo narrador, em outro contexto, tinha deixado claro que era à nossa imaginação que cabia completar a construção e a inteligibilidade do mundo. O determinismo da frase acima não deixaria espaço algum para essa liberdade da fantasia.

– Um pouco mais adiante (p. 88), vemos um exemplo claro no mesmo sentido: “Embora a imaginação coletiva não venha tendo muito trabalho a fazer numa época saturada de imagens e informação, a curiosidade humana não cessa, mesmo que a mim pareça um acúmulo de inutilidades os motes sobre os quais versam os questionamentos da maioria. Ficar mais de cem horas em frente de uma TV acompanhando o sequestro de uma adolescente por um homem perigosamente armado e ensandecido é um exemplo”. O leitor se sente, nesses momentos, um calouro no curso de comunicação social, recebendo lições sobre a maligna indústria da informação.

– As críticas às novas mídias, claro, não podiam deixar de aparecer: “As redes sociais pipocando previsões, piadas, toda sorte de juízos” (p. 88).

– Esta outra passagem tem ares frankfurtianos, com as velhas categorias de indústria cultural e cultura de massas: “O que quer que seja que possa se transformar em imagem, notícia e, consequentemente, em mercadoria, atiça o olhar curioso, vulnerável, voraz e tediosamente superficial dos homens e mulheres de nosso tempo” (p. 89).

– Em outros momentos, temos a impressão de estarmos numa aula de teoria literária, como neste caso: “Tudo nesse mundo é oscilação e instabilidade. Tudo que depende da linguagem se move sem que se possa determinar fielmente seu roteiro” (p. 26). Um dos papas da linguística e da teoria literária, Jakobson, chega a ser mencionado: “E Jakobson, por acaso leu algum poema de íntimo suicida?” (p. 68).

– O tom panfletário também aparece em algumas ocasiões. Ficamos sabendo, por exemplo, que a capacidade de subversão é atributo eminentemente feminino (p. 11), e os exemplos mítico-religiosos de Eva e Pandora seriam a “prova” disso. Além da generalização imprópria (mulheres não são mais ou menos subversivas que os homens, os indivíduos é que podem ser comparados concretamente), essa pequena passagem atesta a fragilidade da construção do narrador: não fica claro o porquê de um velho ranzinza fazer proselitismo feminista em meio ao seu relato… Fica a impressão de que a escritora não criou um narrador-personagem, mas somente um fantoche para, por vezes, externar seus pontos de vista.

Essas constantes digressões do narrador-divagador prejudicam muito a relação que o leitor poderia criar com a história e com seus personagens, mas desconfio que esse possa ser, na verdade, o intento da autora. Micheliny Verunschk não se propôs, em Nossa Teresa, a nos contar uma história: ela se preparou para dar uma aula. A escritora não logrou dotar seu livro e seus personagens de vida própria, daquilo que garante o sucesso da ficção: persuadir-nos de que aqueles seres e situações existem ou poderiam existir – bloquear, por pelo menos alguns instantes, nossa descrença em relação ao novo mundo que nos é apresentado. Em Nossa Teresa, isso nunca acontece. O narrador “se entrega” várias vezes: é simplesmente a autora sob um disfarce, dando aulas sobre temas do seu interesse. O livro não pulsa e, apesar de tratar de tema tão impactante, não tem carne nem sangue, não tem vida… E, portanto, falha como literatura.

Por fim, sou obrigado a concordar com o próprio narrador: “o leitor deve achar cansativo esse labirinto de Creta” (p.31). De fato.

Lido em novembro de 2014
Escrito em 21.11.2014


Eduardo Cesar Maia é jornalista e doutor Teoria da Literatura pela UFPE.

FICHA TÉCNICA

Nossa Teresa – vida e morte de uma santa suicida
Micheliny Verunschk
Editora: Patuá
1ª edição, 2014
192 páginas

TRECHO

“E tanto se falou até aqui em Teresa e tão pouco em sua família, em seus amigos, viés que a revista semanal de maior circulação não deixaria passar em branco. Sim, é certo que tivera um primo arruaceiro, acusado até de assassinato e outras barbáries. Primo chegado, inclusive. Criado praticamente junto, criança problemática desde sempre, mas que, na cadeia, se converteu e, ao que parece, está escrevendo, com a ajuda de um ghost-writer, um livro cujo título há de ser algo como Eu sou um milagre da santa ou A santa e Eu. Porém, é bom lembrar, a revista se atém melhor ao espetáculo, ao drama, à novela. O profundo das coisas não está na pauta do dia. De nenhum dia.”

EPÍLOGO

Revisão

Surpreende no livro a quantidade de erros ortográficos e gramaticais em geral. Uma revisão séria e detalhada é imprescindível em futuras edições.

OUTRAS OPINIÕES

Alfredo Monte, na blog Monte de Leituras, 11 de novembro de 2014.

(https://armonte.wordpress.com/tag/nossa-teresa-vida-e-morte-de-uma-santa-suicida/)

“Há imagens e afirmações de gosto duvidoso, passagens de prosa inflada e que pouco acrescentam ao vigor da narrativa, escorregadelas em lugares comuns (o que é bem diferente de trabalhar criativamente com afirmações repisadas do tipo “do pó vieste, ao pó voltarás” ou “nada de novo sob o sol”) e assustadores deslizes gramaticais, inaceitáveis numa autora que trabalha em alta voltagem de linguagem.”

LEIA TAMBÉM

Do mesmo autor

Geografia íntima do deserto – Micheliny Verunschk

O observador e o nada – Micheliny Verunschk

A cartografia da noite – Micheliny Verunschk

B de bruxa – Micheliny Verunschk

Nossa Teresa – Micheliny Verunschk

Entrevista

Entrevista de Micheliny Verunschk ao Vacatussa (novembro de 2014)

Compartilhe

Sobre o autor

1 comentário

  1. Achei o livro ótimo.. não consegui ver esses erros todos gramaticais e ortográficos, pois a leitura me envolveu. Mas, acho que crítico dificilmente se solta na leitura. Busca erros para fazer as críticas. Pena!
    Att
    Rosa

Comente!