Centenário de Adolfo Bioy Casares

0

adolfobioy

Um dos escritores preferidos da casa, o argentino Adolfo Bioy Casares, vencedor do Prêmio Cervantes em 1990, faria cem anos no dia 15 de Setembro. Apesar de eternamente estar à sombra do seu amigo Jorge Luis Borges, ABC possui uma obra original que casa sofisticação narrativa e o prazer da leitura. Títulos como A invenção de Morel ou Histórias Fantásticas, traduzidos no Brasil, são uma ótima introdução a um estilo clássico que mistura crônica de costumes, enredos fantásticos e ficção científica retrô.

Na Argentina, sua obra completa foi relançada em três volumes pela Emecé. Além disso, alguns dos seus títulos mais importantes foram relançados em diferentes formatos – há, por exemplo, edições de bolso ou voltadas para escolas – com novo projeto gráfico, capas e prólogos de escritores e críticos estudiosos da sua obra.

De acordo com matéria recém-publicada pelo El País Brasil:

“Bioy era fascinado pela ciência de antigamente. Há críticos que ainda o incluem na ficção científica. Isso é polêmico, porque se formos falar de ficção científica em Bioy, deveríamos fazer uma correção sutil e dizer ficção científica retrô”, diz Soledad Quereilhac, doutora em Letras, pesquisadora e colaboradora do jornal La Nación e esposa do ministro da Economia argentino, Axel Kicillof. “O que interessa a Bioy são os elementos residuais de uma ciência que é própria do período entresséculos, quando se produziu esse raro casamento entre o material e o espiritual e quando muitos cientistas começaram a se interessar por médiuns, telecinese e essas coisas”, acrescentou Quereilhac em uma conferência. Nisso, acrescenta a especialista, Bioy se diferencia muito de Borges, “porque se interessa pelas bizarrices científicas”. “Se formos pensar em A invenção de Morel ou Plano de fuga, veremos que há uma lógica residual, cientificista, mas em claro cruzamento com o espiritualista, abundam as explicações dos fenômenos, algo que Borges diretamente não valoriza”. A pesquisadora lembrou que, em Bioy, busca-se a racionalização da experiência.

Quer saber mais? Em inglês, uma boa matéria do Buenos Aires Herald; em espanhol, o suplemento Ñ traz um bom dossiê sobre a vida e obra do escritor argentino.

Compartilhe

Sobre o autor

Escritor, crítico literário e professor. É doutor em Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e mestre em Teoria da Literatura pela UFPE. Participou da revista Granta – Melhores Jovens Escritores Brasileiros e atuou como pesquisador-visitante da University of California, Berkeley. Editou as revistas experimentais Crispim e Eita!. Tem textos publicados na Inglaterra, Estados Unidos e Argentina. Atualmente edita o site Vacatussa.

Comente!