Revista #1 | A história se repete – Thiago Corrêa

1

A história se repete
Thiago Corrêa

Ele queria ser escritor. Juntou algumas palavras e montou uma história. Ao colocar o ponto final, sentiu-se alguém que nunca fora, poderoso, pleno, realizado. Viu-se deus, criador de mundos, realizador de sonhos. Naquelas folhas de papel era o soberano, ali as pessoas o ouviam, tudo era do jeito que ele queria.

Estava com o ego nas alturas quando ouviu dos amigos que sua criação não era sua, aquilo não era novo, já existia há muito tempo. Alguém fora genial primeiro, depois disso essa história de escrever sobre escritor escrevendo tornou-se clichê, lugar-comum.

Achou impossível, era um absurdo, ninguém além dele seria capaz de criar algo assim. Aquele era o seu mundo, saído das entranhas, dúvidas e angústias, baseado nas experiências, nas frustrações de toda uma vida, era a compilação de todas as palavras não-saídas de sua boca, que foram engolidas e guardadas na memória até então.

Não conseguiu dormir naquele dia. Ficou pensando na possibilidade de alguém ter vivido as mesmas situações que ele e, conseqüentemente, ter pensado a mesma idéia, só que alguns anos antes.

Quem seria aquela pessoa? Não tinha importância, agora já não eram iguais, haviam se separado, viviam realidades diferentes. Um recebia elogios e se tornara autor consagrado, enquanto ele era um merda, um farsante, um criador controlado pelo inconsciente coletivo, um ator que repetia o script, só isso.

Queria se conhecer famoso, saber o que aconteceria se fosse genial primeiro e como seu outro eu reagiria ao ser acusado de farsante. Mas seu outro eu não era um farsante, era um gênio, e com um talento daquele, não desistiria, tentaria outra vez, e mais outra e outra até conseguir provar sua capacidade.

Ele queria ser escritor. Juntou algumas palavras e montou uma história. Ao colocar o ponto final

Compartilhe

Sobre o autor

1 comentário

  1. Não é facil mesmo ser escritor, é uma luta permanente para escrever algo diferente e às vezes alguns contos meus ficaram por muito tempo rondando a minha mente e nunca saiam para papel.

Comente!